Uma cultura de liderança

9 Mar 2018

Eu nasci em Sidney, Austrália, mas em um lar argentino. Desde pequeno, estive exposto a duas culturas: a argentina, em minha casa, e a australiana, fora dela. No entanto, quando encontrei os caminhos do Senhor, logo após minha terceira overdose aos 21 anos, percebi que tinha acesso a outra cultura: a do Reino; uma cultura que ultrapassa a latina ou qualquer outra no mundo.

Eu adoro a história que encontramos em Mateus 25:14-30 porque ela nos mostra, de maneira muito simples, os princípios de uma liderança que reflete a cultura do Reino.

Uma liderança que reflete a cultura do Reino:

1. Sempre empodera e equipa as pessoas para que possam assumir seu lugar e fazer diferença.
v14: “chamou seus servos e confiou-lhes os seus bens.”

Nessa história, o senhor tomou o que era seu e entregou àqueles que estavam em sua casa. Deu-lhes uma oportunidade; concedeu lugar a seus servos. Como líderes, quando foi a última vez em que pegamos o que é nosso, o que Deus nos deu e oferecemos aos outros? Nossa responsabilidade como líderes é entregar a plataforma que Deus colocou em nossas mãos. É dar lugar e oportunidade a outros para que liderem e inspirem as pessoas. Os líderes inseguros, ao invés de liberar pessoas, limitam e não desenvolvem o potencial que Deus colocou nelas.

A plataforma que Deus nos deu não se trata de nós, mas sim, dos demais.

2. Sempre reconhece a capacidade que existe em cada pessoa.
v15: “…A cada um de acordo com a sua capacidade”

Na história, o senhor não entregou um talento ao servo que tinha capacidade para cinco talentos porque isso o frustraria; e tampouco entregou cinco talentos ao que tinha capacidade para um talento porque os gastaria. Uma igreja com uma cultura de liderança saudável tem olhos para ver e corações para discernir o que existe em cada pessoa que lideramos, aceitando tanto aquele que tem capacidade para um talento, como também aquele com capacidade para cinco.

Temos olhos para ver o potencial que existe nas pessoas?

3. Eleva as pessoas a outro nível.
v20: ”… Ao que tinha cinco, o entregou mais cinco”

A capacidade de ambos os servos foi a outro nível porque alguém os equipou e puderam entrar em novos níveis em suas vidas. Como líderes, não devemos nos sentir ameaçados pelos dons e talentos dos demais, mas devemos nos alegrar porque Deus nos usou para equipar, inspirar e empoderar outros.

Um líder inseguro tem um foco egoísta ao invés de uma liderança generosa que dá lugar aos demais. Sejamos líderes que elevam os outros a um nível superior, mesmo que estes níveis sejam mais altos e maiores que os nossos.
Farei uma pergunta: sua liderança reflete mais a cultura latina ou a do Reino?
Uma igreja que reflete o Reino de Deus dá frutos, produz mudanças e se estende onde quer que esteja. Uma igreja com a cultura do Reino tem potencial de trazer mudança a este continente onde Deus nos chamou.