Uma Igreja Cinco Estrelas

1 November 2018

Há alguns anos, eu estava em Londres e, como eu tinha a tarde livre, decidi fazer compras. Entrei em uma loja de uma marca muito conhecida no mundo todo. Mas não era qualquer loja, era a maior loja dessa marca. Eu dei de cara com um prédio de três ou quatro andares e um catálogo de roupas impressionante.

Eu me lembro de ainda não ter passado pelas portas, mas a música, que era diferente em cada andar, estava tão alta que eu podia senti-la dentro de mim e não conseguia evitar que os meus movimentos acompanhassem o ritmo da canção. Era impossível entrar nessa loja e ficar parado. Uma vez lá dentro, se aproximaram duas pessoas que, literalmente, pareciam modelos de revista e me deram as boas-vindas. O rapaz que me recebeu tinha músculos que eu nem sabia que era possível ter. E todos os atendentes eram muito bonitos. Sei que isso pode soar um pouco vaidoso, mas me deixem chegar ao ponto que quero explicar para vocês.

A verdade é que, quando eu entrei, não tinha a intenção de comprar nada e não havia nenhuma peça que tivesse me agradado. Mas a atenção que me deram foi tão boa que, ao vê-los, eu pensei: “Se eu colocar a roupa que eles usam, vou parecer com eles e me sentir como eles”. Obviamente, querendo também ter aqueles músculos e aquele cabelo, eu pensei em comprar umas dez camisetas e acabei fazendo uma compra por impulso.

Comprei somente uma camiseta, mas foi o ambiente e a experiência que eu tive nessa loja que me levaram a tomar a decisão que, na verdade, eu não queria tomar. O ambiente onde eu me encontrava fez com que o chip dentro de mim respondesse ao marketing que eles faziam e eu respondi da maneira que eles esperavam.

Como a atmosfera que geramos é importante!

Se o mundo pode produzir uma emoção dentro de nós e nos fazer acreditar que precisamos daquilo que ele nos oferece, ainda que seja vão e falso, quanto mais nós devemos fazer a igreja de modo que as pessoas que não conhecessem a Jesus, quando entram pelas suas portas, possam dizer em seu interior: “Eu preciso do que eles têm!”.

Se a reunião é excelente, a mensagem é poderosa e a recepção é calorosa, imagine o que podemos gerar no coração das pessoas com a presença de Deus em nós. Seria incrível que, ao chegar em casa, elas pudessem se olhar no espelho com a camiseta de Jesus no corpo e dizer que valeu a pena a sua decisão.

Qual experiência nós estamos criando em nossos ministérios para que as pessoas tenham um encontro com Jesus Cristo? Claro que nós não devemos nos deixar enganar acreditando que tudo é sobre a forma com a qual fazemos as coisas. A verdade é que nossa maneira de fazer as coisas sempre será resultado do nosso foco e do nosso coração. Quanto maior for o nosso foco e mais genuíno for o nosso coração, mais criativos e inspiradores serão nossos métodos.

Não se esqueçam de que Deus se move através de sua Igreja e, como parte dela, é nosso dever receber a todos com braços abertos, pois o Evangelho é para todos. Somente assim, nós poderemos alcançar os que precisam de um encontro com Deus.

Alguma vez nós já nos perguntamos como as pessoas se sentem ao sair da igreja?

Eu estou convencido de que as pessoas sempre devem sair da igreja se sentindo empoderadas e animadas para enfrentar seu dia-a-dia e para fazer a diferença no âmbito em que Deus as posicionou. Vamos pensar nas oportunidades que nós temos de inspirá-las. São 52 domingos no ano e as pessoas somente vão para a igreja uma vez por semana. Cada semana tem 168 horas, das quais, alguns só dedicam duas para receber de Deus. Temos pouco tempo para aproveitar e muito para dar!

“E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos. Portanto, enquanto temos oportunidade, façamos o bem a todos, especialmente aos da família da fé.” Gálatas 6:9-10 (NVI)

Não vamos ficar parados pensando naquilo que não podemos alcançar. Vamos pensar naquilo que de fato podemos fazer para que Deus realize a sua obra. É Deus quem empodera e se aperfeiçoa em nossas debilidades. Não somos nós fazendo algo sobrenatural, mas sim Deus trabalhando através de cada um de nós.

Uma igreja cinco estrelas é uma igreja na qual cada um faz a sua parte. Nossa contribuição vale muito e, não importa o que temos que fazer, a minha parte e a sua ajudam a construir a igreja. Somos nós os responsáveis por criar um ambiente para que as pessoas possam experimentar um encontro com Deus. Se uma dessas partes falha, a experiência da pessoa não será completa e pode ser que seu coração se feche para o que Deus quer fazer em sua vida. A igreja deve ser influente, deve transformar corações, e tudo o que fazemos deve ser para a glória do nome de Deus.

Eu te encorajo a trabalhar com excelência e a construir uma igreja cinco estrelas. Vamos ser uma expressão e uma extensão do amor de Deus. Vamos ter claro o propósito daquilo que fazemos, para que a experiência de cada pessoa na igreja seja o reflexo do Reino de Deus e uma ponte até um encontro com Jesus.